quinta-feira, 1 de outubro de 2009

Delacroix Ferdinand Victor Eugène - França 1798/1863



A Liberdade Guiando o Povo- 1831(óleo s/tela)



Como seria bom se todos perdessem algum tempo do dia, escrevendo sua história de vida! Quem sabe assim, pudéssemos fazer uma análise de nossas atitudes, traçar trajetórias, passar para outras pessoas as nossas experiências, descobertas...acredito que assim, poderíamos simplificar a vida, e nosso modo de ver as coisas.
Delacroix registrava em seu famoso diário com beleza literária, impressões croquis ou esboços iniciais, que depois, vinha enriquecendo com novos elementos. Sobre seu método de trabalho, escreveu:
_”Quando vejo o 2° croqui, de fato, quase copiado do anterior, mas no qual minhas intenções estão mais claras – tirando as coisas inúteis e introduzindo, por sua vez esse grau de elegância que sentia necessário para alcançar a impressão do tema – O 1° me é insuportável.”

Para ele, a arte é um trabalho de longa maturação, que nada tem a ver com as coisas que já nascem acabadas. A propósito registrou em seu diário:
_ ”O belo tão difícil de encontrar é ainda mais difícil de traduzir.”
Como os hábitos, como as idéias, ele sofre todo o tipo de metamorfose. Considerado o maior pintor romântico da França, Delacroix iniciou sua formação artística no atelier neoclássico Pierre Guérin (amigo de Gericault) e estudou os grandes quadros de batalhas do Barão de Grós. Experimentou também, aquarela e a gravura...

Estudos -Garanhão e égua (bico de pena)

Extraordinário colorista, de tons brilhantes, sombras luminosas e transparentes.
Suas obras baseiam-se na construção triangular ou diagonal, tão utilizada na renascença e no barroco, por pintores como Veronese e Rubens.
Delacroix gostava de abordar temas literários e patrióticos entre os quais “A Liberdade Guiando o Povo (1831), verdadeiro manifesto do novo romantismo revolucionário, exaltando a revolução de 1830.
A viagem para Marrocos em 1832, e o regresso através da Espanha, colocam em sua paleta novas cores vivas e luminosas.
Na costa africana, o pintor estuda a natureza, os homens, seus costumes, suas festas coloridas.
Delacroix executou também grandes ciclos de trabalho em Paris, entre os quais as alegorias do Palácio Bourbon e o teto da Galeria de Apolo, no Louvre.
Essencialmente romântico Delacroix, atormentava-se diante do realismo que começava a ser introduzido nas artes de seu tempo. Não via mais nada além das ilusões que pretendia criar com a pintura.

Foi com 50 anos de idade que Delacroix, começou a demonstrar maior interesse pelos animais. Ao acabar de ler um livro sobre história natural, registrou em seu famoso diário:
_”Elefantes, rinocerontes, hipopótamos, animais estranhos. Que variedade prodigiosa de animais, e que variedade de espécies, formas e destinos”!
Sem falar dos imponentes cavalos que ele pintou desde a juventude – “os cavalos de Delacroix”.
– destacam-se dos que foram pintados e desenhados por artistas de todas as épocas, por duas características principais: - seus cavalos são sempre apanhados em movimento, empinados, na confrontação entre guerreiros, em luta com outros animais, ou enquanto rolam pelo chão feridos e geralmente estão aos pares, um diante do outro; ou um ao lado do outro, como na intitulada obra – “Cavalos que saem do mar”._ Aqui Delacroix coloca os dois fogosos animais em contra posição, mas numa relação de reciprocidade, onde um é a imagem do outro, o que acentua a profundidade da obra.Seus cavalos podem ser considerados figuras épicas extraordinárias. Eles são vistos na concepção romântica do pintor, como símbolo da elegância, por suas linhas arrojadas e significativos tons de pelagem. E traduzem no ímpeto do próprio movimento a paixão que anima a pintura deste grande mestre.
Apesar de longe da representação real, a imagem desses cavalos transmitem uma “notável sensação de realidade”. Vendo esses animais, tem-se a impressão de vida, de poder cavalgá-los, puxar-lhes as rédeas, e até sentir-lhes o cheiro. É um realismo que o autor alcançou, sem procurar a exata imitação, mas colocan
do em seu trabalho a “marca do espírito”, como gostava

de acreditar.



Cavalos que saem do Mar - 1860(óleo s/tela)



Delacroix tinha em seu diário um companheiro fiel, onde depositava tranquilamente todas as suas impressões, esboços e todos os tipos de sentimentos, onde as emoções tomavam conta de suas anotações.
Romântico, misterioso, sentia-se profundamente solitário – onde dizia: “Tenho dois, três, quatro amigos e sou obrigado a ser um homem diferente com cada um deles, ou melhor, a mostrar a cada um, a face correspondente. Esta é uma das maiores misérias; não poder nunca ser conhecido e sentido por inteiro por um mesmo homem. E quando penso nisso, creio que é a soberana chaga da minha vida.”
O atelier agora está completamente vazio. Este lugar que se viu rodeado de todo tipo de pintura, dentre as quais, muitas agradavam e despertavam uma lembrança ou uma emoção-mas fica aqui registrado, um pensamento de Cézanne sobre Delacroix: -“É a paleta mais bonita da França! Não há ninguém sob o céu que possua a vibração de suas cores!.

27 comentários:

Dulce disse...

MARAVILHOSO!!!

Como sempre, uma preciosa aula. Aqui vai-se conhecendo toda a História da Arte, vai-se aprendendo ou renovando aprendizado, vai-se vivendo a arte.
Obrigada, Waléria, por me proporcionar conhecimentos, beleza, sensibilidade.

Hoje estou recomendando seu blog para os leitores e amigos do Em Prosa e Verso, na certeza de proporcionar a cada um deles não só momentos de beleza, mas acima de tudo, conhecimentos.

Beijos

Valter disse...

Capacidade intelectual, vontade de trabalhar e perseverança são pré-requisitos para se vencer na vida profissional. Além dessas qualidades, tem humildade e carisma. É por isso que sua criatividade é tão valiosa, a ponto dele desabafar seus sentimentos em sua dedicada profissão. Só desejo a você Waléria mais inspiração para continuar este tão belo trabalho. Parabéns:
Valter.

Mona Lisa disse...

Olá Waléria

Obrigada pela partilha e qualidade a que nos habituaste.

Tenho no blog um "selinho" que gostava que levasses.

Bjs.

Irene Moreira disse...

Grande história de uma grande artista - artista completo , pois além do dom da pintura ,o desenho tinha o dom da escrita, palavras colocadas em um diário que é a pura expressão dos sentimentos da alma de um artista solitário - difícil encontrar um amigo a entender a sua arte tão sublime.Wall mais uma aula digna de louvor e espero ter assimilado a altura. Bjs e bom final de semana.

PS.: Ontem deixei um recadinho na outra postagem avisando que tem um selo para você na " Vitrine de sonhos" - abaixo do poema "Um Sonho Apenas". Bjs

kurkineva disse...

É um grande prazer ler suas mensagens, que me ensinam muito.
Obrigado.

Graciela Acebal disse...

Ola Wal !!

Pasé por aqui a saludarte...

Gracias por tu mail lleno de buenos deseos y por darte una vuelta, como siempre, por mi blog. Y si.... la foto al final del blog es la de mis pequeños.... jaja 23, 20 y 18 años respectivamente!!
Muy instructivo tu blog, se nota las horas que le dedicas. Felicitaciones.
Te mando un abrazo desde Argentina,
tu amiga Grace

Vanessa B. disse...

\o/
Esse quadro famosíssimo foi um dos primeiros que vi quando pesquisei pela primeira vez na vida sobre pintura romântica.
E que obra prima! Sempre vou lembrá-la dum jeitinho especial.
Obrigada por relembrá-la!

Liberdaaaaaaaaaaaaaaaaade
que nós não temos :(

Donagata disse...

Que texto fabuloso e tão intensamente elucidativo. Eu gostava daquilo que conhecia de Delacroix mas, a partir de agora, é certo que vou olhar a sua obra com outros olhos. É inevitável dado o conhecimento que aqui adquiri do artista, da sua evolução e da sua forma de entender a arte. Lindo quando você diz que colocava no seu trabalho "a marca do espírito".

Comop sempre uma "aula" muito bem conseguida. E, também como sempre, tem aqui uma aluna atenta, interessada e curiosa que parte daqui em busca de novas aprendizagens...

Um beijo grande.

indomarking.com disse...

Submit your blog to http://www.indomarking.com and Let's someone else get it

Adelino disse...

Como já sabe, sou fã do seu blog e do seu sentido educativo!!!
Quero tambem agradecer, que nunca é pouco, todos os presentes que me dedica!!!
Este ultimo não consegui descarregar, mas tambem não vou ficar triste pois a intenção ficou presente!!
Mais uma vez obrigado pela atenção e pelo seu trabalho aqui mostrado!!!

Até breve.

nereida disse...

Oi Wall! Fiquei extremamente feliz com o seu comentário no meu blog e também com o selinho que você me deu de "blog criativo"! Como, ainda estou iniciando na "arte" de blogar, seu selinho veio me dar estímulo e alento para continuar...
Obrigada!
Quanto ao lindo texto que você expôs, foi ótimo conhecer mais do pintor Delacroix, pois sempre tive como o meu preferido o pintor Monet e foi através de Monet que aprendi a amar Provence! A suavidade das cores,das imagens meio difusas... quase sinto o cheiro das flores e dos lagos!
Beijo grande.

Ainda não tenho selinho( na verdade, não sei como faze-los!) portanto dedicarei a você meu próximo post!

nereida disse...

Será que "peguei" o selinho certo?
Quando tiver um tempinho , confere para mim? Ele está, no meu blog,logo em cima , à direita! Bj

nereida disse...

Rsrsrsrsrs....na verdade, gosto dos dois, porém Monet é o meu preferido! Você gostou da postagem que te dediquei? Esperança? Bj

Jackeline Depp disse...

Estou passando aqui pra deixar um grande abraço de urso e dizer que me sinto muito feliz em ter sua amizade!!!Mande-me um e-mail pra que eu possa lhe passar o html do nosso award...
Ah, também ofereço à você o selinho-Prêmio DARDOS
Jackie-Curitiba-Paraná-Brasil
http://johnnydeppmadness.blogspot.com/

Jackeline Depp disse...

Ah...Saudades de você lá no Blog!hihihi
Jackie-Curitiba-Paraná-Brasil
http://johnnydeppmadness.blogspot.com/

nereida disse...

Bom dia, Wall! É verdade, a Luma é um amor. Ela foi de uma presteza e boa vontade...
Você chegou a ver os butons que ela fez para o meu blog? São três e ficaram lindos!
Que bom que você gostou do post de Neruda; ele é demais , né? Você já assistiu o filme "O carteiro e o Poeta"? Lindo...
Bj

nereida disse...

Ah! Você chegou a ver a o post que dediquei à você? Foi o do dia 05/10 com o título "Esperança", de Mário Quintana... Bj

wallper.lima disse...

Olá Nereida, claro que vi, e deixei lá um comentário agradecendo.
Bjos.
Waleria.

nereida disse...

Meu Deus, que furo eu dei com você! Desculpe-me mil vezes...
Não sei como fui tão distraída, assim, em não ver o seu comentário!
Por favor, perdoe-me! Um Bj "envergonhado", porém sincero, para você!
Nereida

Brumas do Tempo ® disse...

Oi, Wall!

Tudo em nossas vidas há um propósito... Quando passamos adiante nossas experiências e descobertas pessoais, descobrimos que esse propósito também é compartilhado por várias pessoas, que mesmo sem saber, enriquecem o nosso dia-a-dia. Você é uma dessas pessoas! Abençoada sejas!

Beijos e bênçãos...

)O( Rowena

Ballet Coppélia do Brasil disse...

É verdade o que disse sobre simplificarmos nossas vidas...Se déssemos mais atenção à arte, seja ela qual for, seríamos muito mais felizes...
Obrigada por sua ilustre visita em nosso Blog!
Equipe do Ballet Coppélia do Brasil-Curitiba-PR
http://www.balletcoppeliadobrasil.blogspot.com/

Canteiro Pessoal disse...

Val. Que fantástico sua escrita. Leitura apaixonante. Tua escrita de olhos profundos. Uma pequena frase gritou em meu íntimo, que seria: "O belo tão difícil de encontrar é ainda mais difícil de traduzir". - Será que é tão difícil de encontrar o belo? Tenho por mim que não. A questão é que nossos olhos estão culturalizados num tipo de belo ensinado e o belo-belo da frase entra numa cotação de difícil de encontrar. Concordo em ser difícil de traduzir, uma porque quando resgato o belo-belo, o que vejo em belo é diferente pra ti. E isso, denota que o belo é o que cada olhar enxerga, e não algo padronizado.
Perdoe-me pela demora, passei uma semana conturbada em saúde e estou ainda em recuperação, e também, compromissos. Realmente, seu post ficou lindo, porque enxergastes ele lindo e isso que sempre precisa se agarrar. É sempre agradável por aqui, sempre saio com um perfume em pele retinal.

Beijos querida flor.

mariabesuga disse...

Se escrevessemos as passagens de nosso dia poderíamos ir cortando aquilo que não queríamos voltar a fazer por ser menos bom ou nos fazer menos bem, a nós e aos outros, por nós.

Mas não fazemos assim e nem tanto vem ao caso que o pintor, fantástico pintor, fazia-o para estímulo próprio, para melhor o conteúdo ou forma de apresentar seua trabalhos...

Isso nos diz em seu texto. Texto rico, informativo... formativo para quem havia lido algumas coisas soltas a respeito...

Aqui, Walléria, aprende-se sempre nem que seja só um pouquinho mais. Você sabe isso e com certeza por essa razão se esmera tanto nos trabalhos que aqui apresenta.

Um abraço daqui deste lado.
Obrigada.

Luma D. disse...

Oi, Waléria.
Desculpe a demora em responder e a falta de emails... Ultimamente anda tudo tão corrido que não estou conseguindo estar presente.

Obrigada pela indicação, já estou levando o selinho.

Beijos, ótimo dia.

Dulce disse...

Waléria

Vim desejar-lhe boa noite e deixar um beijo amigo.

Irene Moreira disse...

Wall obrigado como sempre pelas palavras carinhosas e motivadoras feitas em seus comentários . Hoje estou aqui para te convidar para passar na casa de presentes e pegar a Indicação para o Selo Meme. Amiga mal acabo de postar um selo aparece outro - não posso reclamar porque é um reconhecimento e uma troca que faz parte e tem seu lado gostoso. Bjs e uma Boa Noite.

wallper.lima disse...

Agradeço a Tdos os comentários, adorei saber que a vida deste pintor tenha tocado a fundo o coração de todos vcs.
Delacroix, representa o coração vivo de quem ama aquilo que faz, por isso me identifiquei com ele...e no final da postagem onde deixo seu pensamento sobre não poder ser a mesma pessoa pra todos os amigos, acho de uma verdade absoluta, e corajosa, de dizer aquilo que muitas vezes sentimos e não temos coragem de dizer...
Bjos no coração de todos.
Waleria Lima.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...