segunda-feira, 5 de abril de 2010

O vento do outono varrerá as folhas murchas - Jean Antoine Watteau - Francês - 1684/1721

Assim que olhei esse quadro me apaixonei por esse artista, que me aproximou da essência lírica e deliciosa de um romantismo que hoje se encontra tão longe da alma humana! Seria um jogo de palavras que nos submete aos sentimentos mais profundos, que merecem ser estudados, interpretados, e “talvez” imitados.

Esse artista tem nesta pintura, sua obra prima – GILLES – um pierrot gigantesco, seu auto-retrato espiritual: onde representa através da pintura seus traços marcantes, entre a timidez e a sensibilidade, onde os sentimentos se confundem e se declaram num breve e tão despercebido sorriso, o menino que mora dentro dele, e num olhar doce e triste, declara sua fragilidade em relação ao tempo. De braços caídos, de forma desanimada assiste ao espetáculo sem participar dele.
Sua ascendência familiar, vinda de seu sobrenome (Gateau-doce) houve doceiros e padeiros. Honrou a tradição, criando uma obra saborosa, para a imaginação deliciosa para os sentidos, sugestiva para o sentimento.
Seu pai, era um humilde pedreiro (trabalhava c/ardósias) e quando o filho já estava em idade de ajudá-lo, provocou a ira paterna ao preferir entrar no ateliê de Gerin, um pintor da cidade natal – Valenciennes – localizada próxima a fronteira de Flandres, recém conquistada por Luís XIV. Nesta época tinha 14/15 anos. Não satisfeito, o mestre por sua parte também não conseguiu reter muito tempo o precoce discípulo, e como seu pai se recusou a pagar pensão, abandonou sua casa, sem dinheiro, sem roupas, com o único desejo de refugiar-se em Paris, na casa de algum artista. Mas como tudo é difícil nesta vida, lá encontrou muitas dificuldades. Foi trabalhar para um fabricante de quadros em série da ponte de Notre Dame.
Aproveitava suas andanças para registrar tudo aquilo que lhe chamava atenção: andrajosos, mendigos, cortesões enfeitados, injuriadas prostitutas e damas refinadas.
O trabalho esgotante, o salário miserável, o mal ambiente, desgastam muito em breve aquela juventude frágil e sensível corporalmente, incapaz de sustentar durante muito tempo sua disposição e força de espírito.
Watteau não demorou a contrair uma irreversível tuberculose.


Mais flamengo que francês freqüenta círculos de antigos compatriotas em Saint-German. Graças aos marchands Jean e Pierre- Jean Mariette conhece Claude Gillote, desenhista que tinha trabalhado na comédia Italiana, expulso do país por influência de madame de Maintenon: a Comédie Française – não tinha podido suportar o êxito dos cômicos italianos.
Através de Gillot, familiariza-se com os personagens da Farândola. Os fantásticos, delicados e risonhos arlequim, colombina, mezzetino, scapino...até 1708 colabora com Gillot e conhece Claude Aubran, decorador de palacetes e alguns conjuntos florais, bestiários, comediantes e pastores que se repetem uma e outra vez. Graças a Aubran, conservador do palácio de Luxemburgo lhe abrem a porta deste, e a coleção das pinturas que Rubens fez para Maria de Médicis. Seu coração se alegra diante daquela jovialidade colorida e viva. Nos jardins do palácio, exuberantes e belos, encontra sua paisagem predileta; passando a ser seu cenário favorito. Ali encantado pela beleza, Watteau, pintava envolvido pela música que seu amigo Julien (violoncelista) interpretava para ele.
Inovador e criador, não desdenhava da disciplina dos estudos acadêmicos. Em 1708, inscreveu-se na academia situada no Louvre. Nesse mesmo ano participa do prêmio de Roma. Decepcionado por ter conseguido apenas o segundo posto, regressa a Vallenciennes. Encontra-a em cenário da guerra, entre o rei da França e o Imperador. E da mesma forma que tinha vagado pelas ruas de Paris, coberto de lama acompanha os soldados, contempla as suas atividades, armazenando material suficiente.
Seus quadros são inundados na teatralidade-
Muitos tem motivos variados e várias interpretações.
A música está sempre presente.
Identifica-se com o estilo rococó. (estilo artístico de origem francesa caracterizado pelo excesso de elementos decorativos).

Pinta desfiles de tropas, acampamento, ronda de soldados. Seus quadros conseguem um grande e inesperado êxito em Paris. Seu marchand - Pierre Sirois – o anima a regressar e oferece sua casa, onde conhece o genro deste – Gersaint – que se transformou num grande amigo protetor e biógrafo.
Em Paris consagra-se a pintura. Encerra-se no ateliê e utiliza como modelo seus próprios desenhos, realizados com lápis vermelhos e negros e lápis brancos para os toques de luz.
Watteau é simples em seu viver, e em suas pinturas procura exprimir o seu mundo fragrante, sensitivo, feito de graça, refinamento e beleza.
Seria um gesto de generosidade, ao se aproximar do eterno, mesmo sabendo que o limite estava presente em sua realidade.
Em sua suave tristeza, tenta cobrir o que os olhos não querem ver. Através de sua pintura se faz presente: ouve sussurros, espia os beijos, presencia os bailes, sente cada nota musical, sonha com a mitologia, vive o amor que só pode realizar com seus pincéis, pois não se atreve, pois tem medo que a proximidade rompa a poesia.
Igualou em anos, trinta e sete a outros dois criadores: Rafael e Van Gogh, e com eles marca a história da pintura. Se há um antes e um depois de Rafael e Van Gogh, existe um modo de pintar anterior e posterior a Watteau .
Termino esta postagem dizendo:
_ O vento do outono varrerá as folhas murchas, mas jamais varrerá Watteau de minha lembrança!

32 comentários:

Dulce disse...

Waléria

Que encanto, minha amiga! Como sempre uma aula acompanhada de imagens marcantes.
Obrigada por sempre trazer novos conhecimentos, por mostrar tanta beleza e tanta arte.
Beijos e uma boa noite para você.

angela disse...

Gosto muito de ler seus textos. Não onheço arte para opinar, mas aprecio o que vejo e o que leio aqui.
boa semana

Diogo disse...

Olá Wal
Lindissima esta postagem e a história deste pintor. Obrigado por a partilhares connosco.
Bjo e boa semana

Ana ♫ disse...

Oi! Obrigada por visitar e comentar no meu blog!
Sobre sua postagem, adorei. Principalmente quando vc começa falando do romantismo que está tão longe da alma humana... concordo plenamente. Por isso, me encanto muito mais com a arte de outros tempos do que com a contemporânea.
Bom, um abração! E até mais.

Mona Lisa disse...

Olá Waléria

Adoro ler os teus post tão instrutivos.

Mais uma aula bem documentada.
Obrigada pela partilha.

Tens razão, quando dizes que o romantismo está cada vez mais afastado da alma humana!

Bjs.

Lisa

kurkineva disse...

Wal, sempre muito compentente em suas mensagens! Parabéns e obrigado pelas belas lições que encontro aqui em seu Blog.
Beijos.

Living in Kauai-Hawaii disse...

Ola querida! Tudo otimo! Obrigada pelo chamado. Muito interessante a historia de vida do pintor frances Antoine Watteau. O estilo de arte nao e dos um dos meu preferido mas, com certeza um grande pintor!
Bjs.

bondearte disse...

Ola querida Waléria:
Você tem toda razão, eu gostei muito do trabalho deste incrivel pintor.
Waléria , hoje minha curiosidade principal é saber como você esta, as noticias sobre o Rio de Janeiro fizeram com que eu me preucupasse com você.
Por favor mande noticias!!!
Beijos
Paulo

DIABINHOSFORA disse...

Olá Waléria!

Você conseguiu reunir mãe e filha no seu blog! Parabéns, obrigada pelas suas lições de Arte e um beijo :)

Living in Kauai-Hawaii disse...

Oi Wall! Espero que esteja tudo bem com voce. Tenho visto noticias nao muito boas sobre a cidade do RJ. Espero que toda essa chuva passe rapido e nao maltrate o povo lindo do Rio.
Bjs.

Pixel disse...

Quero agradecer a sua visita!!
Eu não comentei, mas fiquei seguidor porque achei o seu blog muito interessante a nivel educativo!!

Muitos parabens!!

Até a próxima!!

Catarina disse...

Olá Wall!Primeiro, muito obrigada pelos teus comentarios aos meus trabalhos, foram muito motivadores. Segundo, também gosto muito do teu, é muito bom aprender historia da arte e da arte moderna de uma maneira ligeira e interessante como tu a mostras aqui no teu espaço! Muito melhor que as aulas ^^! Os meus conhecimentos vão sem duvida melhorar :) Adoro muito algumas obras que aqui puseste...também metes obras tuas??

um beijo da catarina

DIABINHOSFORA disse...

Olá Waléria:)

A minha filha é a Catarina que fez o comentário aqui bem em cima do meu. É uma aluna de Artes do ensino secundário e que pode aprender muito com pessoas como tu, que se prestam a partilhar os conhecimentos que têm de uma forma muito bonita.
Bem hajas por isso.
Beijinho grande

JRonson disse...

as obras são fascinantes mesmo :) vc tem de m mstrar um dia as suas telas a acrilico, eu confesso q ainda so trabalhei aquela tela cm esse material, tnh d fzr mais mesmo

Graciela Acebal disse...

Wal, muy agradecida por tu visita a mi nuevo blog y tus palabras de aliento, asi como tambien tus "consejos" los cuales aprecio muchisimo, pues vienen de una artista talentosa, profunda conocedora de las artes. Tambien me llama la atencion la coincidencia!! Otoño... hojas secas. Si bien el estilo rococò utilizado por este pintor no es de los que màs me gustan, tengo que admitir que es genial como artista. Hay que situarse en la època y en los estilos predominantes de ese entonces... su autorretrato es sin duda triste, su postura, sus brazos caidos, su timidez...
Muy interesantes tus relatos como siempre, Wal. Te sigo de cerca.
Un abrazo amiga!!

imaculada conceição manhães marins disse...

Olá, Walleria! Vim visiar seu blog e... Quanta coisa legal! Amei essas duas postagens: a de Watteau e a de Carybé! Um abraço! :)

P.S. Como vc consegue colocar a imagem no título? É só com os próprios recursos do blog? Ou vc usa alguma programação externa? ;)

Eliana Lee / Lu Maria disse...

Querida! Obrigada pelos coments constantes lá em casa! =)

Valter disse...

Olá querida Waléria, como sempre seu trabalho continua ótimo, seu Link não estava na lista porque de tanto eu mudar a caixa de Links acabei de perder alguns, mas não se preocupe erro corrigido. Abraços Valter.

Anna Leão disse...

Oi Val,

Tenho um presente pra vc em meu blog Metamorfose http://www.annaleao.blogspot.com

Beijos,
Anna

".Felipe Rezende." disse...

waaall mh kerida, quanto tempo, e quanta sdd das suas palavras. realmente mh cabeça anda a mil, terceiro ano, namoro, família.. aa, td me estressando mt, precisando de umas férias longe de tudo. kkkk mas to levando, vendo o q a vida ta guardando pra mim, e logo c d der certo, to de volta e com a cabeça no lugar. e vc como sempre escrevendo maravilhosamente bem. bjao. Felipe.

Tais Luso disse...

Oi, Wal, você já viu como quase todos os artistas vêm de uma vida sofrida? Parece que os grandes gênios estão fadados a isso, como Watteau, o maior pintor francês de sua época e um dos principais artistas do rococó.

Pena que Watteau não se importou muito com os detalhes dos procedimentos técnicos, o que levou a vários de seus quadros estarem em mau estado de conservação, segundo os críticos.

Beijos, amiga. Mais uma bela postagem.

Fernanda disse...

Oi! vim aqui conhecê-la! Vi que está seguindo meu blog! Obrigada! retribuo carinhosamente, e já logo adianto que também sou amante das artes!!! grande beijo!

Irene Moreira disse...

Wall
Que história, que determinação, quanto sofrimento e acredito que só uma alma de artista suporta tudo isso e continua em frente nas sua busca interior. Deus coloca em seu caminho pessoas que os levam ao aperfeiçoamento e mesmo que caia diversas vezes chega a sua excelência onde explode o seu interior e o grande amor pela arte. Comparações podem existir mais cada é único no que faz.
Amiga desculpe está sempre atrasada e demorando a vir te visitar, mas tenho que ter tempo para saborear casa pedacinho do que postas - e não admito vir aqui só para dar oi.
Lendo com detalhes vejo que meu estilo é um pouco rococó, pois adora exceder em na decoração dos meus cantinhos.
Linda a frase final que colocas pois só vem a mostrar que tens alma de artista e no seu espelho estão repletos de artistas que fazem a sua história.

Beijo grande e bom feriadão.

PS. Dia 1º de maio a Mamyrene faz 1aninho de vida e um presente que quero é poder te conhecer. Melhor seria se pudesse fazer um encontro do amigos blogueiros - juntar todos,pelos menos os do Rio de Janeiro, mas deixa para uma oportunidade mais para frente. Mais beijos

ney disse...

Waléria,
Obrigado pela presença amiga lá no blog. Parabéns pelo seu blog, por essa bela postagem, estaremos nos acompanhando na blogosfera. Abraço/ney.

Catarina disse...

ola wall :) tive a ver sim alguns dos teus trabalhos que postaste aqui no blog ha algum tempo atrás. Gostei muito das tuas aguarelas e das pinturas a óleo, tens uma técnica muito suave, colorida, que transmite paz e alegria ao mesmo tempo. Gostei, sao o tipo de pinturas com as quais decoraria um quarto! Parabens, continua!

Um beijo da Cati

Densetsu disse...

Realmente são belas obras, e que historia triste a do pobre artista.
" Assistir á um espetaculo sem no entanto participar dele" de fato se torno um conceito interessante uma vez que nós mesmos passamos por isso. Quem nunca leu um livro, assistiu um filme ou desenho ou mesmo admirou a arte de outra pessoa, querendo saber como fazer ou mesmo fazer parte de cada uma das historias dessas obras, ouvir uma bela musica enquanto viaja pelos acordes. A Arte é um espetaculo em si que devemos viver e não assistir ,essa frase não se resume somente ao cotidiano chato e repetitivo, o espetaculo que realmente devemos fazer parte é aquele em que nossa criatividade e imaginação nos permite fazer parte, sempre explorando horizontes novos, afinal qual a graça em sempre assistir enunca fzer parte, né. ^^

Um grande abraço Wal .Tudo de bom.

Irene Moreira disse...

Wall
Bom Dia!!!
Estou aqui para pedir que vá até a M@myrene e veja o que aconteceu.
Aguardo seu comentário por favor.

Beijos

Noémia Travassos disse...

Olá Wall,

Percebo o seu êxtase quando se deparou com este quadro. Acho mesmo que ele nos retrata a todos,em algum momento da nossa vida.
Enquanto ia lendo o seu interessante artigo, dei comigo a constatar a sua alma poética. Conforme vamos entrando no descritivo da difícil vida de Watteau, sentimos a poesia soltar-se das palavras e ficar-nos a levitar no pensamento.
Estou certa que Watteau gostaria de a ter tido como amiga!
Obg pela visita aos "Amigos da Porcelana" e às suas gentis e sinceras palavras. Volte sempre! É um privilégio tê-la entre os nossos amigos.

wallper.lima disse...

Quando digo sentimentos mais profundos que merecem ser estudados, interpretados ou talvez imitados - falo dessa grandeza de espírito, de um ser humano tão frágil "aparentemente", mas tão grande, tão profundo nos pensamentos, em sua visão, nos seus sonhos. Acredito "eu", que nada vale a pena sem doação, e Watteau, se deu e nos deixou um legado de esperança, de luta, perseverança. Vivia através de suas pinturas que eram carregadas de desejos, fantasias, histórias, onde a teatralidade era composta de uma vida vivida e outra no desejo de viver... Waltteau, se recolheu a solidão, mas não deixou de pintar, até o fim de sua vida...trabalhou temas mitológicos, embora por escrúpulos religiosos destruiu boa parte antes de morrer.
Enfim, deixo aqui o meu reconhecimento em cada comentário, super valiosos, muito precisos, e de mta reflexão, pois reconheço que a vida deste artista nos coloca diante da vida e de tudo aquilo que nos acontece no decorrer de nossa jornada.
Ao blog Diabinhos Fora e Catarina sua filha, digo que foi uma bela coincidência, o qual me fez mto bem...e agradeço todas as palavras.
Irene, qdo vc diz que vc é um tanto Rococó, realmente concordo, mas são os detalhes que fazem a diferença.
Felipe, adorei revê-lo.
A Taís digo, que pelo destino reservado a Watteau, realmente compreendo suas "falhas" - até porque, naquela época não se tinha o conhecimento e os materiais que temos hoje.
Enfim, adorei, todos os comentários e depois de tudo que li, se eu fosse ter que fazer outra postagem sobre esse mesmo artista, "talvez" tivesse outras questões humanas aqui levantadas para acrescentar.
Digo que realmente ser artista não é fácil, até porque mtas vezes não somos compreendidos.
Bjos a todos, e até a próxima.
Waleria Lima.

Geny disse...

Olá Walleria...
Muito intereçante este poste, nunca é demais relembrar e dar a conhecer as obras dos grandes artistas da pintura...
jinhos e bom fim-de-semana.

Tais Luso de Carvalho disse...

Oi Wal:

Hoje vim convidar você para uma visita ao Porto das Crônicas a fim de participar do lançamento do livro do nosso amigo Cesar Cruz - o patrono do blog ‘Os Causos do Cruz’. Acho que unir nossas forças e dar estímulo a um amigo da blogosfera é abrir mais nosso leque de leitores e de incentivo a todos os que escrevem, e que, além de essencial, é um reconhecimento e carinho a todos nós que gostamos de escrever. O post é ‘O Homem Suprimido’.

Beijos
Tais luso

Mirian disse...

Olá Wal boa noite,
Preciso sair, mas estou pregada na cadeira de tanta coisa que vc nos ofere.Parabéns pela dinámica de seu blog e por sua criatividade. Volto assim que puder. Bj.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...